Entrevista com a Mamãe – Parte I

entrevista

Eu faço parte de um grupo de mães no Facebook que tem por lá uma brincadeira de entrevistas muito bacana. Há uns dois meses atrás fui escolhida e resolvi trazer para cá os trechos que eu achei mais interessantes. Nessa primeira parte eu falo um pouco sobre amamentação, cama compartilha, escola para os pequenos e outras amenidades.
Divirtam-se!

1- Qual o seu nome  e idade?
Danielle Bessa, 33.

2 – Qual a sua profissão?
Pedagoga, mas larguei o emprego para ser mãe em tempo integral quando o Joãozinho nasceu. Pretendo voltar ao mercado de trabalho para o ano, mas nada muito certo ainda. Ele tem agora 1 ano e 7 meses.

3 – Tem quantos filhos?
1, o João Miguel.

4 – É casada?
Sim

5 – Conte-nos como foi a experiencia da amamentação pra vc e o que ela significa na sua vida e na vida do seu filho.
Nossa… Eu sou super mega blaster pró amamentação, sabe? Eu amamentei e amamento em Livre demanda. Meu filho nunca teve hora pra mamar. O peito aqui é liberado dia e noite, em casa ou na rua. Eu li muito sobre os benefícios da amamentação e nosso leite é ouro líquido. Fico triste pois vejo q há muitos pediatras q não incentivam a amamentação, como se tivessem parceria com a Nestlé. Acho q a amamentação uma atividade abençoada pelo criador, a mulher tem o poder de nutrir a própria cria com algo q seu corpo produz! Toda mamãe tinha q confiar no seu leite, pois não existe leite fraco. Joãozinho ainda mama com 1 ano e 7 meses e ama o “Pepê”, até beijinho dá.

6 – O que vc diria para uma mãe que acabou de ter bebê e está começando a amamentar?
Amamentar é amor em forma de dedicação, é estreitar o vínculo, é tornar-se super poderosa por poder dar o melhor para o seu bb. Deus é sábio e com perfeição fez o leite materno. Acho q amamentar é dar continuidade aos planos do Senhor. Além disso não há leite no mundo melhor q o leite materno para os bbs humanos.

7 – E escola/ berçario seu filho já vai ou pretende colocar ano que vem?
Joãozinho não está na escola e eu não pretendo colocá-lo antes dos 2 anos para estudar.

8 – O que acha da criança entrar cedo na escola?
Primeiro é bom dizer q cada um sabe das necessidades e das possibilidades de cada família e q minha opinião está de acordo com a maneira como eu encaro a maternidade e tb deriva da minha experiência como pedagoga.
Na minha opinião é desnecessário a criança entrar na escola antes dos 2 anos. Até essa idade as crianças precisam muito mais de proteção do q de socialização. A socialização com outras crianças da mesma faixa etária até 2 anos é praticamente inexistente. Muitas mães já devem ter tido a experiência de colocar 2 crianças de cerca de 1 ano e pouco juntas para brincar e o resultado costuma ser: ou cada uma brincando só, ou cada uma buscando a própria mãe, ou ambas lutando por um brinquedo.
Antes dos 2 anos a criança ganha muito mais no convívio com crianças mais velhas, q propõem brincadeiras a ela, e isso pode ser feito no play, na pracinha, na praia, com primos ou irmãos. Além disso tenho implicância com a justificativa de q a criança vai para a escola e aí aprende muuuuita coisa. Q coisas ela aprende na escola q não podem ser aprendidas com uma mãe dedicada? E de qualquer forma para q serve falar 30 palavras aos 18 meses(por exemplo)? Por acaso nossos filhos vão colocar isso no currículo quando tiverem 20 e poucos anos e quiserem disputar um emprego?
Minha tese é q a criança deve ser feliz, então se ela chora pq não quer ir para a escola e se a mãe tem alternativas para q ela não vá, deixe-a em casa. Daí a mãe diz: “Ahhhh, mas ela só chora na hora q eu deixo ela lá, quando vou buscá-la ela está feliz!” Imagino q esteja mesmo, afinal nem quando vc levou um fora de um grande amor chorou sem parar por 4 horas seguidas. A gente para pra respirar, espairecer, mas não significa q já estejamos bem.
Entendo quem precisa colocar o filho na escola e isso não é uma crítica a quem não tem alternativa, mas eu já trabalhei em creche e fato é que por mais q as cuidadoras sejam super carinhosas e dedicadas elas não são a mãe. Além disso quando vc tem mais de uma criança pra cuidar muitas vezes seu filho vai ficar chorando pq a cuidadora teve q acudir outra criança. Se isso acontece uma vez ou outra não é nenhum trauma, mas na maioria dos casos isso acontece todo dia. A criança q passa muito tempo recebendo dedicação e carinho da mãe constrói uma base sólida de auto-estima q a prepara para enfrentar com segurança as adversidades da vida.

9 – Com 1 ano e 7 meses, tem alguma coisa que vc fez e NÃO faria com o Joãozinho?
Sim, se eu pudesse voltar no tempo eu jamais teria me estressado quando o Joãzinho não queria comer. Eu tentava distraí-lo e puft enfiava a colherinha de papinha lá dentro da boquinha dele. Ainda bem q isso aconteceu por um período bem curtinho, pois hj sei q isso é errado graças ao Dr. Carlos Gonzalez e ao livro dele “Mi Ninõ no Me Come”.

10 – E algo que vc FARIA com certeza?
Amamentaria tudo de novo outra vez, largaria o emprego, faria cama compartilhada.

11 – Onde vc teve seu filho? Foi parto natural ou cesáreo?
João Miguel nasceu numa maternidade em Niterói – RJ de cesárea, infelizmente. Ó relato do nascimento dele aqui.

12 – Na sua opinião o que é ser um pai presente??
É assumir as responsabilidades na criação do filho exatamente como a mãe assume, na mesma proporção.

13 – Cite três livros que leu e que vc recomenda para as mamães.
1o – Besame Mucho – Dr. Carlos Gonzalez
LEITURA OBRIGATÓRIA – Baixe o livro aqui (É só fazer o download do arquivo BMCG21042011.pdf)
2o – A Maternidade e o Encontro com a Própria Sombra – Laura Gutman
3o – A Criança Mais Feliz do Pedaço – Dr. Harvey Karp
Ps.: Eu tb recomendo fortemente o livro “Mi Ninõ no me Come” do Dr. Carlos Gonzalez, o único problema é q não tem em português. Quem tiver o espanhol fluente pode fazer download dele no mesmo link do Besame Mucho, basta dar uma procuradinha.

14 – Vc disse que compartilha a cama com o seu baby e já li que, ao contrário do que se diz, os bebês ficam mais seguros de si por sentirem o amor e a proteção dos pais. Qual é o seu conceito sobre cama compartilhada? E desde quando começou a ser assim com o seu bebê?
Eu costumo dizer q quem escolheu a cama compartilhada não fui eu, foi o João Miguel. Confesso q antes dele nascer eu não simpatizava com a ideia do bb dormir entre eu e o pai, achava q iria tirar a privacidade, iria incomodar… Esse foi só o início da mordeção de língua q a gente começa quando se torna mãe. rs
Eu ainda morava no Rio e queria q o Joãozinho dormisse no mesmo quarto q a gente, mas não na nossa cama. Como no nosso quarto não cabia um berço eu fiz um quartinho todo lindinho(e inútil) pra ele e comprei um carrinho berço pra colocar ao lado da nossa cama.
Acontece q o João Miguel NUNCA aceitou ficar no carrinho, era colocá-lo lá e ele acordava. Então eu não pensei duas vezes, coloquei ele na cama comigo e até hj dormimos assim: mamãe, papai e filhotinho. rs
Acho a cama compartilhada prática pra mãe q amamenta, pois basta dormir de peito de fora q vc tem a noite de sono garantida. Eu nunca tive q levantar de noite pra amamentar, nunca tive noites penosas, salvo momentos em q a criança adoece e precisa de mais chamego, mas de maneira geral o Joãozinho sempre dormiu a noite toda. Isso mesmo, eu não sei o q é passar noites em claro e atribuo isso à cama compartilhada, pois o João Miguel nunca precisou acordar e chorar para q eu saísse da minha cama e fosse até o berço. Até hj se ele quer mamar basta abrir a boca e servir-se.
Então as pessoas me perguntam: “Mas e a intimidade do casal???” Eu costumo dizer q graças ao João Miguel é q meu casamento não cai na rotina, sabe? Cadê a criatividade dos casais? Cozinha, banheiro, área de serviço, corredor, sala de estar, sala de TV… A casa não é só quarto.
Sobre os possíveis danos psicológicos q a cama compartilhada poderia causar nos bbs é isso mesmo q vc disse. Existem muitos estudos q apontam q pelo contrário, bbs q dormem com os pais se tornam mais seguros e mais independentes. E se não fosse assim a humanidade já teria sido extinta, afinal o berço é uma invenção q tem o q? 500 anos? Como dorme o ser humano desde os primórdios dos tempos? Onde dormem os índios? E os nossos antepassados? Não precisa ir tão longe: seus avós dormiam em berços ou todo mundo junto no quarto dos pais? e todos os outros mamíferos, como dormem?
Vale dizer q de modo algum isso é uma crítica a quem põe a criança no berço, mas uma defesa do meu direito de por meu filho pra dormir comigo. É q em pleno século XXI quem dorme com o filho sofre perconceito! :S

15 – Muito intetessante sua resposts sobre cama compartilhada, usando como gancho eu te pergunto: até quando vc pretende deixar o João dormir com vcs na cama. Tem uma idade estipulada?
Não tenho em mente uma idade estipulada e confesso q não fico ansiosa com isso. Tenho certeza q uma hora ele mesmo vai querer ir domrir no quartinho dele. Tô deixando a vida me levar.

Continua amanhã! 😀

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s