Olha o aviãozinho!

olha o aviãozinho
A alimentação dos filhos é uma das principais preocupações das mamães: preocupam-se se o filho come pouco, se come muito, se  não come, o que come, quando come, se tem rotina pra comer… ufa! Mas será que a alimentação deveria ser uma fonte de tanto desassossego? Será que devemos forçar nossos filhotes a comer quando se mostram inapetentes?

Pensemos em todos os animais do planeta: cachorros, leões, patos, aranhas, passarinhos, sapos, o homem… já pensou como se comportam os bichos na hora de comer? Se estão com fome, comem. Se não estão, não comem. Simples, não? Não existe na face da terra animal que morra de fome quando tem alimento disponível.

Antes mesmo de começar a comer, enquanto ainda estão sendo amamentados, já é possível constatar a diferença entre os animais e os homens. Pense na cadela: fica lá deitada, os filhotes famintos buscam suas tetinhas e mamam até que estejam saciados. As mamães humanas, por outro lado, mesmo quando o bebê ainda está (ou deveria estar) sendo alimentado somente pelo leite materno, cismam de se questionar se o bebê está mamando o suficiente ou não. Até pouquíssimo tempo atrás, era muito comum os pediatras explicarem às mamães que os bebês só deveriam ser amamentados de 3 em 3 horas. Segundo tais pediatras, 3 horas seria um intervalo suficiente entre uma mamada e outra. Felizmente a amamentação em livre demanda tem ganho mais adeptos e nossos bebês, por fim, podem decidir que intervalo lhes parece suficiente para saciar a própria fome, seja de leite ou de mãe. Ora, os pequeninos já conseguem comunicar tão pouco, não escolhem que roupinhas vestir, não escolhem os passeios, a hora do banho, não podem decidir praticamente nada… mas sabem muito bem a hora que têm fome, e se sentem fome buscam o peito! Não lhes parece justo que pelo menos esse desejo lhes seja concedido sem demora? Afinal quem tem fome tem pressa, não é mesmo?

O bebê vai crescendo e quando chega o momento fatídico da introdução de sólidos o aperreio só tende a crescer. Para início de conversa o termo “introdução de sólidos” parece piada de humor negro, pois a maioria dos bebês é iniciado no mundo dos alimentos através de papinhas. Quem não conhece uma cena como esta: a mãe vai pra cozinha, faz a gosminha com carinho e dedicação e no momento em que a colher se aproxima da diminuta boquinha o pimpolho tranca a boca, vira a cara, chora e não quer comer a “comidinha” que a dedicada mamãe preparou com tanto afeto. Desesperada ela recorre a brinquedinhos, aos passarinhos na janela e à televisão, e num descuido do pobre filho consegue enfiar uma colheradinha em sua boca. A mãe comemora porque achou a chave do sucesso, mas não pensa que se o bebê não quer comer é porque não tem fome ou não precisa daquele alimento.

O pediatra Carlos González, autor do livro Mi Niño no me Come (Meu Filho não quer Comer, não publicado no Brasil) explica que muitos bebês só começam a comer aos 8 meses, outros aos 10 e muitos depois disso ainda. Ele relata que na Europa já se discute a possibilidade de atrasar a introdução de sólidos para os 8 meses. Para Gonzalez a criança jamais deve ser obrigada a comer, pois seu organismo sabe exatamente a quantidade de comida necessária par se desenvolver plenamente.

Daí você se questiona: “Mas como é que meu filho, que é só um bebezinho, vai saber do que ele precisa?” Ora bolas, da mesma maneira que seu filho sabe a hora certa de respirar, sabe o momento de fazer xixi, de fazer coco… Comer é uma necessidade para nos manter vivo e seu filho já nasceu com o dispositivo FOME instalado. “Mas é que ele come muito pouquinho…” Se cresce e engorda, se está dentro da curva de crescimento não há com o que se preocupar. E digo mais, se está abaixo da curva, mas foi prematuro ou você ou seu marido são do tipo mignon, não espere ter um bebezão dentro de casa. Já ouviu falar que filho de peixe peixinho é?

A Nutricionista infantil Karine Durães, membro da diretoria da Associação Paulista de Nutrição e autora do blog Nutrição Infantil, concorda com o Dr. Gonzalez: “Forçar a criança a comer só piora a relação dela com a comida. Se a mãe briga com o filho para que ele coma salada, ele pensa: “Essa comida é tão ruim que deixa minha mãe brava”. Forçar o filho a comer faz com que ele aprenda a comer quando não está com fome, quando já está satisfeito, o que atrapalha o seu centro de saciedade e aumenta as chances de desenvolver obesidade no futuro”. Isso quer dizer que os pequenos não comem para agradar a ninguém: comem quando tem fome, para se nutrir, crescer e se desenvolver (ao contrário de você, que come sorrindo a buchada de bode da sogra só pra agradar ao marido)!

Agora imagine que, a duras penas e depois de meses de dieta, você conseguiu chegar no seu peso ideal, entrou naquela calça jeans que há meses o zíper não fechava e está se sentindo lindíssima com o seu corpinho. No entanto seu marido, sua mãe e suas irmãs acham que você está magra demais. Você fez o cálculo do seu IMC e provou pra eles que o seu peso é normal para a sua altura e não há motivo para preocupação. Não convencidos resolveram que toda vez que você estivesse distraída colocariam dentro da sua boca uma comidinha qualquer: assim, quem sabe, aos pouquinhos você iria recuperando paulatinamente o peso perdido, ficando mais saudável (aos olhos deles). Claro que você se sentiria muito desrespeitada, não é mesmo? Provavelmente suspeitaria de uma brincadeira de mau gosto, jamais poderia imaginar que sua própria família fosse capaz de armar semelhante tramóia.

Seu filho também merece respeito! Se ele rejeita um alimento é porque não gosta ou não tem fome. Se está crescendo saudavelmente não há motivo para se preocupar, deixe-o saborear a comida quando lhe apetecer. A única preocupação que deve ter uma mãe em relação a alimentação do filho refere-se a qualidade dos alimentos oferecidos: o mínimo possível de industrializados, o máximo possível de alimentos orgânicos, açúcar com muitíssima moderação, frutas e hortaliças em abundância e preferencialmente nada de frituras e refrigerantes. Cuidar da alimentação do seu filho também é prova de amor.

Anúncios

7 opiniões sobre “Olha o aviãozinho!

  1. E o que fazer qdo seu filho de quase 4 anos chora de fome, mas se recusa a comer comida, so quer suco ou leite ou batata frita? Tem horas que aproveitar a oportunidade e enfiar uma colher de comida saudavel na boca do seu filho e a unica opcao.

    • Keyla, se o suco for caseiro da fruta e se o leite não for cheio de Nescau eu não negaria os desejos dele de jeito nenhum. No lugar da batata frita convencional eu recomendo a versão saudável da Thais Ventura aqui: http://www.asdeliciasdodudu.com.br/2012/12/hamburguer-com-batata-frita-so-que-nao.html
      Se vc deixa ele se entupir dessas 3 iguarias prediletas, já já ele enjoa de comer só isso. Caso contrário ele vai sempre associar aquilo q vc o OBRIGA a comer como algo ruim. Volto a dizer q essa é a minha opinião para um leite sem Nescau, para um suco natural e para a batata frita da Thais! Olha q nem é uma refeição tão pobre assim: fruta, proteína e carboidrato! 🙂

  2. meu filho esta com 6 meses e 4 dias, ha duas semanas comecei a dar legumes batidos no liquidificador, e ele comia com gosto, dpois passei a dar mingau de mucilon, nos dois primeiros dias ele tomou, mas agora ao ver a colher ou a mamadeira ele chora, e o pior é que mama tão pouquinho no peito, e esta abaixo do peso, isso que esta me deixando agoniada demais, não sei o que fazer…só na hora de dormir é que toma um pouquinho de mingau e mama, dai dorme a noite toda, chega a ficar ate 9/10h dormindo e quando acorda so belisca o peito..não sei mais o que fazer.to desesperada!!ja li e reli varios artigos, conversei com muitas amigas, mas nada….hj ate que ele tomou um pouquinho de suco de cenoura….me ajude por favor

    • Oi keila.
      Bem, antes de opinar eu preciso de umas informações básicas:
      – Altura e peso ao nascer:
      – Altura e peso com 1 mês, com 2 meses, com 3, com 4, com 5 e hj:
      – Amamentado ou mamadeira?
      – Se amamentado: é livre demanda ou tem horário pra mamar?
      – Se mamadeira: desde q mês?
      – Como é a rotina de alimentação? Como? Quanto? O q? Antes ou depois do peito?
      Conselho básico q eu já posso dar: joga fora a lata de mucilon!!!
      Não se desespere, meu filho – hj com 1 ano e 10 meses – só começou a aceitar os sólidos com 8 meses. Dê peito se ele não quiser comer. Vamos nos falando!
      Bjão
      (Ps. Se eu demorar a responder é pq estou sem internet em casa, tô de mudança.)

  3. Minha filha de 1 ano e 4 meses, não quer saber de comer comida nenhuma, até 1 ano comia de tudo que colocava na papinha, agora já tentamos de tudo, comida mais sólida, mais líquida e nada dela querer comer cospe tudo…graças a Deus que frutas ela come todas que oferecemos, sucos e como não almoça e janta direito acaba mamando mais mamadeiras por dia…o que fazer? Devo respeitar esta fase dela??? Ela está bem no peso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s